quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Dois homens são mortos e menina sai ferida por bala perdida no Parque Getulio Vargas

Local do crime
 Dois homens foram assassinados e uma menina foi atingida por uma bala perdida no final da manhã desta quinta-feira (30/10), no bairro Parque Getúlio Vargas, em Feira de Santana.

Na mesma ação criminosa, Alisson Henrique dos Santos, 20 anos, também foi alvejado a tiros. Alisson e a menina Emanoele Silva Souza, 12 anos, foram socorridos para o Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), onde permanecem internados. 
Já Waldick José Alves da Silva, 44 anos, e Felipe Costa dos Santos, 20 anos não tiveram a mesma sorte e foram surpreendidos pelos assassinos e foram executados, na Rua Miracatu, no mesmo bairro.
 
De acordo com o soldado Brito, da 66ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM), os assassinos já chegaram no local com armas em punho e quando encontraram as vítimas em uma construção abandonada, começaram a atirar atingindo os alvos, em varias partes do corpo. Um dos tiros atingiu a garota que passava pelo local, indo para a escola.
Emanoele reside da Rua Angra dos Reis, no bairro Ponto Central, e Felipe Santos morava na Rua São Roque, Parque Getúlio Vargas.
 
Informações e fotos de Aldo Matos do Acorda Cidade.

Criminosos invadem agência bancária e ferem três em assalto

Ação dos criminosos
 Doze homens assaltaram a agência do Banco do Brasil de Uauá, a 440 quilômetros de Salvador, na manhã desta quinta-feira (30/10). Um segurança do banco e dois clientes ficaram feridos no ataque.

Segundo informações do sargento da Polícia Militar, parte da quadrilha roubou um carro, modelo Fiat Strada, e sequestrou os três ocupantes em um povoado próximo à cidade. A outra parte do grupo chegou em outro veículo à agência, disparando tiros para o alto e empunhando armas de groso calibre.
 
"Houve muitos disparos. Parte do grupo ficou do lado de fora, enquanto outros dois invadiram a agência atirando", disse ao Correio24horas o sargento Carlos Alberto. Os assaltantes atiraram contra o segurança, que foi atingido na perna. Outros dois clientes também ficaram feridos: um alvejado no braço e outro atingido no olho por estilhaços de vidro.
 
De acordo com funcionários do banco, os assaltantes chegaram até o cofre, que estava aberto por conta de uma movimentação financeira. Os criminosos fugiram levando cerca de R$ 10 mil. Eles levaram três funcionários como reféns, entre eles o segurança ferido.
Os reféns foram abandonados em uma estrada de terra a 5 quilômetros de Uauá. Os criminosos fugiram em seguida. Os feridos foram atendidos em hospitais de Uauá. Equipes de policiais civis e militares do município e de cidades vizinhas fazem buscas à quadrilha. Até o meio dia desta quinta (30), ninguém foi preso.
 
Segundo o Sindicato dos Bancários da Bahia, com o caso de Uauá, o número de ataques a bancos na Bahia alcançou 193, mesma quantidade registrada em todo o ano de 2013.
 
Explosão em caixas
Ainda nesta quinta (30), um grupo de bandidos explodiu um caixa eletrônico no município de Cristópolis, que fica a 809 quilômetros de Salvador. Segundo a polícia, o crime aconteceu por volta das 2h30, na agência do Bradesco.
 
Os bandidos chegaram na avenida Major Claro, no centro da cidade, em dois carros. Segundo a polícia, eles usaram explosivos para destruir os dois caixas eletrônicos que ficam na área de autoatendimento da agência. Porém, apenas um equipamento foi danificado. Eles fugiram levando o cofre da máquina.
 
A polícia não identificou e nem localizou os suspeitos de terem participado o assalto. A agência foi isolada para ser periciada pelos policiais do Grupo Avançado de Repressão a Crimes contra Instituições Financeiras (Garcif). O valor roubado não foi divulgado.
 
Informações do CORREIO 24 HORAS 

Empresário que deu calote em noivas baianas é preso em hospital

Local da empresa
 O homem que se tornou especialista em pôr fim aos sonhos das pessoas, finalmente vive o pesadelo de estar preso. O empresário Roque Anderson Andrade de Souza, 35 anos, acusado de dar calotes em dezenas de noivas de Salvador, foi finalmente encontrado pela polícia um ano e nove meses depois de o CORREIO denunciar seus golpes.

Detido pela polícia de Natal, no Rio Grande do Norte, o dono da Anderson Andrade Cerimonial responde a diversos processos por desrespeitar contratos, adulterar datas de cheques, debitar quantias indevidamente e dar calotes até em doceiras e garçons.
 
O estelionatário simplesmente desaparecia com o dinheiro de vários de seus clientes e fornecedores antes da realização dos eventos.

Anderson Andrade estava foragido da Justiça desde o início de 2013, quando foi expedido um mandado de prisão pela 5ª Vara Criminal de Salvador.
 
Na semana passada, segundo o titular da Delegacia de Furtos e Roubos (Defur) de Natal, Herlanio Cruz, Anderson teve um problema de saúde e foi parar no Hospital Walfredo Gurgel, unidade pública da capital potiguar.
 
Uma denúncia anônima chegou aos policiais da Defur, que confirmaram a existência do mandado.
 
Anderson recebeu voz de prisão dentro do hospital. O delegado ainda desconhece o motivo da internação do empresário, mas noivas que foram vítimas dos golpes receberam a informação de que ele sofreu um acidente de moto.
 
“Tivemos a informação quatro dias antes, mas respeitamos o período eleitoral. Ficamos monitorando ele até ontem (segunda) e o prendemos”, contou o delegado.
 
Anderson deve ser transferido para Salvador assim que tiver alta. Enquanto isso, engana até os funcionários do hospital. “Todos adoram ele lá. Distribui chocolate para as enfermeiras e ganha todo mundo na conversa. Coisa de estelionatário”, disse o delegado.
 
As noivas ludibriadas por Anderson comemoraram a prisão. Mas não acreditam que possam reaver as quantias. “Já perdi a esperança de ter esse dinheiro de volta”, lamentou a enfermeira Ticiana Almeida, 30, que conseguiu se casar em dezembro de 2012 mesmo com um prejuízo de R$ 6,8 mil.
 
Há relatos de golpes de até R$ 18 mil, como o do último casamento que seria realizado pelo cerimonial de Anderson. “Chegamos a avisar a noiva, mas ela não acreditou. Casou com o prejuízo, mas à base de remédios”, disse a bancária Taiana Burgos, que se casou depois de levar um golpe de R$ 3,7 mil e ganhar uma causa de R$ 12 mil contra o empresário.
 
“Mas acho que nunca vou ver esse dinheiro”. Donas do imóvel onde funcionava o escritório do cerimonial, na Pituba, tiveram prejuízos de R$ 10 mil, com aluguéis, condomínio e IPTUs.
 
Informações do CORREIO 24 HORAS 

Dois homens morrem em confronto com PMs no Bairro Queimadinha

Material apreendido
 Dois homens morreram na madrugada desta quinta-feira (30/10), em confronto com policiais militares do Pelotão de Especialidade em Táticas Operacionais (PETO) da 66ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) no bairro Queimadinha em Feira de Santana. Eles foram identificados até o momento como Pandaia e Mikael.

Segundo informações da polícia, “5 elementos estavam na prática de tráfico de drogas na Travessa da Rua Rondônia na Queimadinha com armas em punho, ao avistarem a viatura abriram fogo contra a guarnição que imediatamente revidou a injusta agressão, dando inicio a uma intensa troca de tiros”.
Ao final, os acusados Pandaia e Mikael foram baleados e socorridos para o Hospital Geral Cleriston Andrade (HGCA), onde não resistiram e morreram. Enquanto os outros fugiram para dento da tabua. Outras guarnições da PM foram acionadas, mas não conseguiram prender o resto da quadrilha.
 
Com Pandaia e Michael os militares encontraram duas armas de fogo, uma pistola calibre Ponto 40 e um revolver 38, além de uma quantidade de drogas. Os autos de resistências (morte em confronto com a polícia) foram registrados na Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP).

PF prende quatro homens com seis fuzis na BR-116 Sul

Armas apreendidas
 Após receber uma denúncia anônima, policiais federais do Núcleo de Feira de Santana prenderam quatro pessoas e apreenderam armamentos pesados que seriam  utilizados por quadrilhas de assalto à bancos e tráfico de drogas. A prisão ocorreu na tarde desta quarta-feira, 29, na BR-116 Sul, próximo a Santo Estevão (a 156 km de Salvador).

A apreensão ocorreu após denuncias anônimas que levaram a PF, através do grupamento GISE – Grupo de Investigações Sensíveis a interceptar uma caminhonete S-10, placa NIY-0124 com licença de Uberlândia-MG, além de um veículo de passeio Uno/Mille, de placa HLI-6155, licença de Itubiara-Goiás.
 
"Nós recebemos a informação de que as armas estavam em dois veículos que saíram da cidade de Montes Claros em Minas Gerais e vinham para Feira de Santana aonde seriam distribuídos", informou o delegado Wal Goulart.
 
Os policiais montaram campana e conseguiram abordar os veículos S10 e Fiat Uno quando os mesmos chegavam a cidade de Santo Estevão. Foi dada voz de prisão aos suspeitos e ao revistar os veículos os policiais encontraram 6 fuzis, sendo 2 AK47 calibre 762 e 4 M16 calibre 556, e um pistola . 45.
 
"Além de farta munição de diversos calibres. Não tenho dúvidas de que este material serviria para assaltos a instituições financeiras e para alimentar o tráfico de drogas", afirmou o delegado.
 
Os quatro homens foram identificados como Cicero Ferreira da Silva, Luiz Carlos Lima Santos, Diego Prado e Roberto Carlos Rosa. Todos negaram envolvimento com o crime, alegando que estavam apenas fazendo um favor a um amigo que pediu para eles trazer os carros.
 
"Temos um amigo que reside aqui em Feira de Santana e nos pediu para trazer os veículos, não sabíamos que existiam armas dentro dos carros", alegou Luiz Carlos Lima, que tem passagem por homicídio.
 
Durante a apresentação dos acusados a imprensa, Diego Brado negou ter conhecimento de que transportava armas no veículo e afirmou que o veículo que conduzia é emprestado. Já Luiz Carlos explicou que conhecia Roberto Carlos e que apenas pegou carona em Salvador com destino a Feira de Santana.
 
Os suspeitos foram autuados em flagrante por porte ilegal de armas de uso restrito e formação de quadrilha. Eles foram encaminhados para o Conjunto Penal de Feira de Santana e as armas para a sede da PF em Salvador.
 
Informações de Alean Rodrigues do A Tarde

Homem acusado de atear fogo em comerciante é preso em Santo Estevão

Gerônimo Navarro
 O homem suspeito de algemar e tocar fogo no comerciante Manoel Santana, 61 anos, em Feira de Santana foi preso na tarde desta quarta-feira (29), na zona rural do município de Santo Estêvão.

Gerônimo Navarro da Silva Filho, de 29 anos, já tinha se apresentado à polícia na última semana, mas não pôde ficar preso devido ao ordenamento legal que impede detenções, salvo em flagrante, dias antes das eleições. Ele foi levado para o complexo policial de Feira de Santana.
 
Após ser queimado em seu estabelecimento comercial, a vítima saiu pela rua com o corpo em chamas e foi socorrido por vizinhos. Ele chegou a ser internado, mas não resistiu aos ferimentos.
 

 “Junior” ou “Cabelinho”, como também é conhecido, foi preso em uma residência na cidade de Santo Estevão. O acusado já deveria estar preso, por conta da prisão preventiva decretada na semana passada, mas devido a Lei Eleitoral foi necessário esperar 48 horas após as Eleições para e efetivar a prisão.
 
De acordo com o delegado Ricardo Brito, coordenador Regional de Polícia, o acusado estava se preparando para fugir. “Ele estava escondido em uma casa e se preparava para fugir. Hoje iniciava, após as 48 horas do período eleitoral, o período em que já poderia ser cumprido o mandado de prisão e conseguimos localizar em Santo Estevão. Ele se entregou e disse que iria procurar os advogados para fazer sua defesa. Agora ficará à disposição da Justiça. Júnior disse também que está arrependido, mas nada justifica tamanha crueldade”, declarou o delegado. A polícia também está em busca do segundo envolvido.
 
Gerônimo se apresentou à polícia acompanhado por dois advogados na manhã da última quarta-feira (22) e foi liberado após prestar depoimento. Júnior, que ficará preso no Conjunto Penal de Feira de Santana, afirma que não tinha premeditado o crime e que agiu de “cabeça quente”.
 
O delegado João Uzzum, por sua vez, disse ao Acorda Cidade que o acusado confessou o crime, mas foi contraditório em seu depoimento.
 
“Ele deu detalhes na versão dele e disse que agiu sozinho. No entanto, as imagens das câmeras de segurança são muito claras no sentido de afirmar que ele agiu com outro homem. Júnior afirmou que entrou no comércio de Sr. Manoel com o objetivo de conversar com Dona Vera (esposa da vítima) e, no entanto, não a encontrando, teria iniciado uma discussão com o comerciante, e após isso algemou o mesmo com algemas plásticas que teria encontrado no comércio. Ele disse também que ateou fogo no estabelecimento, vindo o fogo a atingir a vítima. Obviamente essa versão não convenceu a polícia. Esse cidadão planejou o crime, premeditou esse crime. É um absurdo se considerar que em um comércio onde vende frango assado seriam encontradas algemas plásticas. Ele comprou essas algemas, planejou, levou o produto inflamável e após imobilizar braços, mãos e pernas da vítima, derramou álcool sobre a vítima e ateou fogo. Ele praticou um homicídio duplamente qualificado e agora vai responder por isso”, declarou o delegado.
Manoel Carlos morreu na tarde de domingo (19), no Hospital Geral Clériston Andrade, onde estava internado desde a tarde de sábado, quando foi torturado, e teve 99% do corpo queimado na distribuidora de frangos, de sua propriedade, localizada na Avenida João Durval.

Representante comercial desaparece desde segunda-feira (27) em Feira

Gildásio Ribeiro
 Familiares do representante comercial Gildásio Ribeiro da Silva, 47 anos, popularmente conhecido como “Gil”, que reside no bairro São João (Ex-combatentes), em Feira de Santana estão a procura do familiar desaparecido desde a manhã da última segunda-feira (27/10), quando foi levar a sobrinha à escola.

Conforma informações passadas pelos familiares, Gil retornou para casa trocou a camisa por uma camiseta branca e saiu em seu veículo, um Ford Focus branco, de placa NZE-9718, licença de Feira de Santana. Ele também estava usando bermuda e sandália.
Devido a falta de contato, pois os familiares tentaram falar com ele pelo celular, mas não conseguiram. 
 
Quem tiver informações que ajudem a localizá-lo pode ligar para os números: 75 9977-9966 (WhatsApp); 9973-0524 (Vilma);8841-0631 (Pollyana).