terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Jovem é assassinado com mais de 10 tiros no bairro Cidade Nova



Local do crime
Um jovem foi assassinado com mais de 10 tiros, que atingiram a vitima principalmente nas costas e cabeça. O crime aconteceu por volta das 16 horas desta terça-feira (21), na Rua Barra dos Bandeirantes, no bairro Cidade Nova, em Feira de Santana.

Jonas Rosário de Souza, o “Jhon”, 23 anos, estava lavando um veículo no ponto de lavagem de sua propriedade quando foi surpreendido por dois homens encapuzados que chegaram em uma motocicleta XRE preta. De acordo com o delegado Gustavo Coutinho, titular da Delegacia de Homicídios, eles usaram pistola 380.

“O carona desceu e disparou cerca de 15 tiros. Estavam com muita raiva. Ele já tinha passagens por furtos e pelo que colhemos no local praticou muitos assaltos, mas vamos investigar para saber se foi algo relacionado ao tráfico de drogas ou algum tipo de vingança", disse o delegado ao Acorda Cidade.

Policiais da 66ª Companhia Independente de Polícia Militar (66ª-CIPM), foram acionados e de imediato foram ao local, mas não conseguiram identificar os criminosos. Os militares isolaram a área e acionaram as policias técnicas. Várias capsulas de munições de 380 foram encontrados no local do crime.

Policiais do Serviço de Investigação da Delegacia de Homicídio e Proteção a Pessoa (DHPP), juntamente com peritos do Departamento de Polícia Técnica (DPT), sob o comando do delegado Gustavo Coutinho, compareceram ao local do crime, onde realizaram o levantamento cadavérico e iniciaram as investigações.

Na rua há câmeras de segurança e a polícia solicitou as imagens para ajudar na investigação do crime.

Seduc firma parceria com PRF e vai desenvolver projeto de educação para o trânsito



Reunião com a PRF
Discutir temáticas relacionadas ao trânsito através de atividades pedagógicas, com foco na conscientização dos jovens e adolescentes. Este é o objetivo do Festival Estudantil Temático de Trânsito – FETRAN, que será desenvolvido em Feira de Santana a partir da parceria entre a Secretaria Municipal de Educação e a Polícia Rodoviária Federal. Na manhã desta terça-feira, 21, na Seduc, o Grupo de Educação Para o Trânsito da PRF apresentou detalhes do projeto à secretária de Educação, Jayana Ribeiro.

Criado em 2004, o Festival é um projeto de educação para o trânsito que utiliza atividades pedagógicas e inclui transversalmente a temática trânsito no cotidiano escolar.  Desenvolvido em diversas regiões do Brasil, o FETRAN motiva a produção de trabalhos nas modalidades de teatro, maquetes, poesias, danças, músicas, textos, mural, entre outros, sempre procurando valorizar a diversidade escolar e cultural.

A ação será desenvolvida este ano em cinco escolas municipais, como explica Janaina Souza, membro do Grupo de Educação Para o Trânsito: “Começamos com um grupo pequeno de escolas, mas a intenção é ir ampliando ao longo dos anos. O projeto visa proporcionar a discussão sobre o trânsito nas escolas e conscientizar as crianças para que elas atuem como incentivadores dos pais e dos adultos em geral. Desta forma, as crianças podem despertar nas pessoas à sua volta certos cuidados no trânsito”.
 
“Atividades como esta, desenvolvidas em conjunto com outras instituições, são muito bem vindas. A Seduc já possui uma parceira, por exemplo, com a Polícia Militar para o desenvolvimento do PROERD, que visa combater o uso de drogas. Desse modo, ter também o apoio da PRF para discutir a educação para o trânsito com os nosso alunos, é bastante proveitoso. É preciso formar nossas crianças, pois elas também são parte do trânsito. Seja como carona, pedestres ou futuros motoristas”, afirma a secretária de Educação, Jayana Ribeiro.

O projeto tem duração média de quatro meses e está estruturado em quatro eixos: sensibilização, leitura de imagens, urbanidade e estatística e meios de transporte. Deverá integrar atividades da Rede Municipal de Ensino no segundo semestre deste ano. Os professores das escolas participantes da ação vão participar de uma formação à distância, oferecida pela PRF.

Celulares e roupas de marca são apreendidos com universitária



Material apreendido
Celulares e roupas de marcas conhecidas foram apreendidos com uma universitária de 24 anos, na manhã desta terça-feira (21/02), no aeroporto de Salvador. A ação ocorreu durante o desembarque da jovem no terminal. As informações são da Receita Federal.

De acordo com o órgão, a estudante chegou à capital baiana em um voo que saiu de São Paulo. Ela estava com 30 celulares usados e sem os acessórios, como carregador, por exemplo. O que, conforme a Receita, levantou a suspeita de que os produtos podem ter sido roubados.

Em uma mala, a universitária levava diversas peças de roupas de marcas conhecidas. Os nomes da grifes não foram divulgados. Segundo a Receita Federal, a jovem não apresentou nota fiscal dos produtos.

A mercadoria foi retida e, caso não seja comprovada a regular importação, será encaminhada para perdimento, em que não há possibilidade de reaver os bens com o pagamento dos tributos devidos.

A jovem será investigada pela pela suspeita de receptação de produtos roubados.

Operação Céu Azul
As Polícias Federal, Civil e a Receita Federal iniciaram, nesta terça, uma operação de combate ao tráfico de drogas no pré-carnaval baiano. A ação é feita no aeroporto de Salvador até a quinta-feira (23). Durante esse período, haverá fiscalização de voos domésticos, com o objetivo de combater a entrada de drogas, armas e contrabando no estado. Também integram a operação o Departamento de Polícia Técnica e a Coordenação de Operações Especiais.

Informações do g1 e fotos da PF

Definido esquema de segurança para partida entre Fluminense de Feira e Bahia



Joia da Princesa
Fluminense de Feira e Bahia se enfrentam nesta quarta-feira, 21, no Joia da Princesa, pelo Campeonato Baiano. A partida vai começar às 21h45 e promete atrair um bom público. O esquema de segurança já está definido para atender a demanda. “A estrutura operacional foi montada para atender a grandes eventos. Os torcedores e jogadores terão segurança especial”, afirma o diretor de Esportes da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, Emerson Brito.

O assunto foi discutido durante reunião na noite desta segunda-feira, 20, com as presenças do secretário de Prevenção à Violência, Mauro Moraes, representantes da Polícia Militar, administrador do Joia, José Fernando dos Santos, e do diretor do Fluminense de Feira, José Francisco Pinto, o Zé Chico.
 
As torcidas terão acesso ao estádio pelos portões um, dois, quatro e cinco. Enquanto isso, serão abertas as bilheterias um (principal), dois (geral) e cinco (exclusiva para visitantes).

Emerson Brito afirma também que as câmeras de videomonitoramento estão sendo revisadas para garantir seu pleno funcionamento. São 27 equipamentos, além das câmeras que monitoram o lado externo do Joia da Princesa.

Ex-prefeito de Dolcinópolis é preso em operação da PF em Porto Seguro



Momento da prisão
 O ex-prefeito de município de Dolcinópolis, em São Paulo, José Luiz Reis Inácio de Azevedo (PSDB), foi preso na manhã desta terça-feira (21), em Porto Seguro, região sul da Bahia, onde o político tem uma casa. O mandado foi cumprido durante operação da Polícia Federal (PF), em conjunto com o Ministério Público Estadual, para investigar a suspeita de desvios de recursos públicos.
O G1 tentou entrar em contato com a defesa do ex-prefeito, mas até por volta das 10h, as ligações não haviam sido atendidas.
 
Intitulada “Operação Catatau”, o objetivo da ação é investigar milhões de reais em pagamentos suspeitos realizados durante a gestão do ex-prefeito. O político será levado até a sede da PF de Jales, em São Paulo, para prestar esclarecimentos. A esposa do ex-prefeito e uma funcionária foram alvos de condução coercitiva e serão ouvidas na PF, em Porto Seguro.
 
Depois de ser ouvido pela PF, o ex-prefeito será conduzido para um presídio da região de Jales, onde permanecerá à disposição da Justiça Estadual.
 
José Luiz Reis foi eleito prefeito de Dolcinópolis em 2012, vencendo a eleição com 1.040 votos. Após o fim do mandato em 2016, ele se mudou com a família e uma empregada paraPorto Seguro, onde foi preso. Na cidade baiana abriu duas empresas que também são alvos das buscas desta terça-feira.
 
Informações e foto do g1

MPF denuncia donos da Telexfree por sonegação de quase R$ 90 milhões



Telexfree
A Procuradoria da República no Espírito Santo ajuizou três denúncias na Justiça Federal contra dois dos sócios-proprietários da empresa Ympactus Comercial S.A, popularmente conhecida como Telexfree, Carlos Roberto Costa e Carlos Nataniel Wanzeler. Mais 19 pessoas foram acusadas por envolvimento com o funcionamento da empresa no Brasil e crimes contra o sistema financeiro. Apresentadas pelo MPF no início do mês, duas das três denúncias foram aceitas na semana passada e tornadas públicas nesta segunda-feira (20).

Costa, Wanzeler e a filha deste último, Lyvia Mara Wanzeler são acusados de sonegação fiscal de quase R$ 90 milhões e de prestar informações falsas à Receita Federal. De acordo com a Procuradoria da República no Espírito Santo, a fraude causou "grave dano à coletividade" e foi constatada após as autoridades constatarem indícios de irregularidades na inscrição da empresa no Simples Nacional.

O trio também foi denunciado por crimes contra a economia popular - praticados por meio da implementação de um esquema semelhante à pirâmide financeira (artigo 2 da Lei 1.521/51) - e por negociar valores mobiliários (contratos de adesão à Telexfree e a promessa de venda do empreendimento hoteleiro Best Western Tijuca Telexfree) sem registro e sem autorização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o que motivou a acusação de operarem instituição financeira clandestina. Pirâmides são esquemas em que cada novo participante paga uma certa quantia para poder fazer parte e, posteriormente, recebe uma porcentagem do valor pago por cada novo integrante que ele mesmo convence a ingressar no esquema. Invariavelmente, chega um momento em que a oferta deixa de atrair novos interessados e quem ainda não recebeu sua parte fica com o prejuízo.

Os 19 denunciados são acusados por crimes contra a economia popular e por operarem uma instituição financeira clandestina. Para os procuradores da República, Costa e Wanzeler eram os reais mentores do suposto esquema, pois compartilhavam todas as decisões administrativas e de condução do negócio. Segundo o MPF, o sócio norte-americano da Telexfree, James Matthew Merril, está negociando os termos de seu acordo de colaboração nos Estados Unidos e, por isso, não foi denunciado. As autoridades brasileiras aguardam o fechamento do acordo para verificar seus termos e decidirem o que fazer em relação a Merril.

As denúncias são os primeiros resultados de uma investigação conjunta entre a Procuradoria da República no Espírito Santo, Polícia Federal e Receita Federal. Também houve compartilhamento de informações e de provas com as autoridades dos Estados Unidos e com a Justiça e o Ministério Público do Acre.

Além da condenação dos acusados, o MPF/ES pede que a Justiça mantenha o arresto dos bens (dinheiro, carros, aeronave, imóveis, entre outros) obtido nas medidas cautelares e executados na Operação Orion (deflagrada em 24 de julho de 2014), e, caso condenados, que determine a perda definitiva desses bens.

Um dos advogados de Costa e de Wanzeler, Marcelo Turbay Freiria, informou à Agência Brasil que a defesa ainda não teve acesso formal às denúncias e que, por isso, não vai se manifestar sobre o mérito do processo. Apesar disso, reafirmou que os fatos já apurados demonstram a inconsistência das acusações do MPF.

Informações de Alex Rodrigues, da Agência Brasil

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Preso com filhos e neto, Ravengar comandava tráfico no Morro do Águia



Ravengar
O traficante Raimundo Alves de Souza, conhecido como "Ravengar", de 64 anos, preso na madrugada desta quinta-feira (16), em Salvador, comandava o tráfico de drogas na região do Morro do Águia, no bairro de Fazenda Grande do Retiro, enquanto ainda cumpria pena em regime semiaberto pelo mesmo crime. A informação foi divulgada pela Polícia Civil.

De acordo com a polícia, Ravengar foi preso em casa, durante uma operação policial realizada nos bairros de Fazenda Grande do Retiro, Pero Vaz e Paripe, na capital baiana, mas a localidade em que o suspeito morava não foi divulgada. Ele é um dos traficantes mais conhecidos da Bahia.

Conforme a polícia, dois filhos, um neto e a ex-mulher de Ravengar, além de mais um suspeito de fazer parte da quadrilha também foram presos durante a ação. Eles foram identificados como Izidio Alves de Souza Neto (filho), de 41 anos, Emerson Silva Napoleão Souza (filho), 27 anos, Willian Ailton Silva Souza (neto), de 23, Ana Carolina Ramos Vilas Boas (ex-mulher), de 25, e Josué Messias Guimarães dos Santos.

Filhos e neto, além de ex-mulher e outro homem,
também foram presos em operação policial nesta
quinta (Foto: Alan Oliveira/ G1)

A operação foi realizada em 15 pontos distintos dos bairros. A polícia não especificou em que localidade cada suspeito foi preso. A apreensão de armas ou drogas não foi divulgada. Durante a ação, outro homem, identificado Sílvio da Silva Napoleão, também foi preso por tráfico de drogas. Ele não tem relação com Ravengar.

Em entrevista coletiva, realizada na tarde desta quinta-feira, Ravengar se mostrou muito irritado com a prisão e negou a participação dele e dos familiares no tráfico de drogas. Ele disse que trabalhava com a venda de temperos em uma feira. "Eu trabalho entregando temperos. Meus filhos trabalham em lava-jato. Somos inocentes. Isso foi uma emboscada. Não fiz nada. Parece que estou no filme de 'De Volta Para o Futuro'", disse.

De acordo com informações do delegado Alexandre Galvão, do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), o criminoso era investigado desde 2014, quando foram descobertos indícios do retorno dele à prática do tráfico.

Ravengar mostrou estar irritado com a prisão
(Foto: Alan Oliveira/G1)

O delegado informou que, na época, um outro traficante que atua em Salvador precisou de uma grande quantidade de drogas, mas não conseguiu e precisou recorrer a Ravengar, que o forneceu os entorpecentes. O nome do criminoso não foi divulgado.

Segundo o delegado, Ravengar estava em regime semiaberto desde 2012, quando foi transferido do Complexo Penitenciário Professor Lemos Brito, no bairro da Mata Escura, na capital baiana, para o Presídio de Lauro de Freitas, na região metropolitana. Galvão não soube informar se o criminoso cumpria a pena regularmente. Condenado a 22 anos de prisão, Ravengar foi preso inicialmente em 2004.

Após a apresentação na tarde desta quinta, Ravengar e os outros presos foram levados para o Complexo Penitenciário Professor Lemos Brito. Conforme o delegado Alexandre Galvão, a operação que resultou na prisão do traficante é um retorno da polícia para a sociedade.

"Esse é um retorno da polícia para a sociedade. Não pode haver a idéia do rei do crime em nenhum lugar. Isso [a prisão de Ravengar] é fudamental para dar a sociedade a imagem de que há punição para criminosos".

Informações do g1 e fotos Alan Oliveira